Music Player

Voltar ao topo

cursor

Tiny Bunny

Sobre o Preconceito Pelas Culturas Orientais.

1­-Por que os brasileiros generalizam as culturas orientais? 
Acredito que por falta de conhecimento. Mesmo nos dias de hoje, você não costuma encontrar meios de informações disponíveis que falem sobre as culturas orientais. Para aprender um pouco mais sobre essas culturas, precisamos pesquisar por nós mesmos, pois a cultura ainda não é muito apresentada a nós ocidentais. Por exemplo, nas escolas, tudo o que estudamos é relacionado à visão ocidental. Aulas de história no Brasil, não ensinam seus alunos sobre a história da China antiga, por exemplo. Japão talvez seja o país mais popularizado no Brasil, por outro lado, quase não se fala sobre a cultura coreana.
É natural que com essa carência de informação, os brasileiros não saibam diferenciar tais culturas e acabem por generaliza-las. Talvez a aparência seja um dos principais fatores dessa generalização que os orientais sofrem aqui no Brasil.

2­-Até que ponto essa generalização afeta as pessoas das diferentes culturas? 
Existem imigrantes que não se importam muito com o fato de serem confundidos, porém, há outros que se sentem incomodados. Contudo essa generalização de culturas acaba por passar dos limites, quando nós o fazemos, sabendo que estamos fazendo. Sem nos importarmos em aprender sobre elas, somos inconvenientes e por consequência ofendemos alguma dessas culturas.

3­-Por que não há muito interesse, por parte dos brasileiros, em aprender um pouco mais sobre cada uma dessas culturas? 
A maioria de nós, somos limitados para entender outros tipos de costumes. É natural que o ser humano fique com o pé atrás quando aprende sobre uma nova cultura. São muitos costumes novos, valores diferentes, uma nova visão, é tudo tão novo que nos parece estranho demais, mas se nos colocarmos no lugar daquelas pessoas, é fácil de compreender. Os brasileiros, porém, carregam muitos mitos e preconceitos sobre essas culturas, o que causa um desinteresse muito grande em relação ao aprendizado.

4­-Como diferenciá-los mesmo sem ser um especialista? 
Visualmente, talvez você não note muita diferença, ainda que elas existam. Contudo o que mais podemos usar para diferenciá-los é a língua de cada país. Por mais difícil que possa parecer, quando se acostuma com a sonoridade, podemos diferenciá-los facilmente. Os símbolos usados na escrita também são fatores bem marcantes. Os coreanos são os mais fáceis de serem diferenciados através da escrita. As vestimentas tradicionais e as comidas também ajudam muito nessa distinção.

5­-Você poderia nos dar um exemplo de como essas culturas se diferenciam? 
Como disse, a fala é algo bem interessante. Se tiver a oportunidade de ouvir um coreano, um japonês ou um chinês conversando, repare que não só a língua é muito diferente como o sotaque que eles possuem também é muito forte.
Costumo brincar dizendo que os coreanos falam de forma manhosa, puxando o final das frases. Os japoneses possuem um sotaque já bem conhecido aqui no Brasil, utilizando com bastante frequência o som das letras “K”, “R” e “T”. Os chineses por outro lado, referindo-me em especifico ao mandarim, falam de uma forma mais enrolada, e os sons que mais se impõe são “X” e “Q”.
Todas as três são incomparáveis e muito gostosas de ouvir.

6­-Em sua opinião, o que faz as pessoas de países como o Japão, um país desenvolvido e bem estruturado, se aventurarem no Brasil?
O início da imigração japonesa no Brasil se deu em 1908 quando algumas famílias japonesas chegaram ao estado de São Paulo pra trabalhar. O principal motivo foi fechar relações comerciais entre Brasil e Japão, pois o Brasil necessitava de mão-de-obra estrangeira para trabalhar, enquanto o Japão passava por um período de grande crescimento populacional, não conseguindo gerar empregos necessários para toda a população. Então, para suprir as necessidades de ambos os países, foi criado um acordo migratório entre os governos. Porém nos dias de hoje, o Japão já não tem tanto interesse em mandar japoneses para o Brasil, tanto que podemos notar um aumento de chineses e coreanos. Atualmente a maior parte da população japonesa é idosa e por essa razão aposentados, deixando assim com que o país tenha condições suficientes de gerar empregos para a população adulta, trabalhadora. Ainda vemos japoneses que vivem em colônias aqui no Brasil, porém esse número vem diminuindo.
Há também no Japão, grandes colônias de brasileiros.

7­-Nos países orientais, existe a procura da comida brasileira como existe a de comida japonesa, coreana ou chinesa no Brasil?
Existe. Em países orientais onde há colônias brasileiras, existem até mesmo supermercados com produtos brasileiros. No Japão, por exemplo, existem mais de 175 mil brasileiros, e as principais províncias japonesas onde se encontram esses brasileiros são Gifu, Gunma, Mie, Shizuoka e Aichi, por essa razão, existem várias cidades onde você pode encontrar restaurantes brasileiros para comer.


8-Essas três culturas entram em harmonia se forem diferenciadas como devem ser?
Sim, pois ao serem diferenciadas, podem ser valorizadas individualmente, reconhecendo a importância de cada uma delas na sociedade em que se encontram. Dessa forma, podendo assim transmitir para outras nações, seus costumes, valores, conhecimentos, crenças e práticas sociais, aprendidos de geração em geração através da vida em sociedade.

Um comentário: